Topo

Notícias

Contratos de artistas são legais e dentro do valor de mercado, afirma Sarto

24/Setembro/2013
Increase_font Decrease_font

O líder do Governo na Assembleia rebateu críticas avalidas por ele como improcedentes.

O líder do Governo na AL, deputado José Sarto (PSB), afirmou nesta terça-feira (24) que todas as contratações de apresentações artíticas para realização do programa cultural Férias no Ceará foram feitas pelo Governo do Estado de forma legal e que os valores pagos estão dentro do parâmetro de mercado.

Tribuna do Plenário 13 de MaioO parlamentar assegurou que todo o trâmite para a contratação dos shows seguiu o previsto na legislação federal em vigor. Diante disso, Sarto contestou a proposta de instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) feita pelo deputado Heitor Férrer (PDT). “O Heitor sabe que, para instalar uma CPI, é necessária a existência de um fato determinado que corrobore isso, e ele não tem”, disse.

O líder voltou a explicar que os valores publicados no Diário Oficial “dizem respeito à contratação dos shows completos, e não ao cachê pago aos artistas”. Ele pontuou que os valores abrangem gastos com translado, hospedagem, alimentação, infraestrutura, além dos cachês de músicos e equipe técnica. “Temos que considerar, ainda, que esses shows geralmente são realizados em época de alta estação. Não podemos comparar o valor de um show feito em julho e um feito no meio de uma semana qualquer de agosto”, defendeu.

Conforme avaliou, o relatório do Tribunal de Contas do Estado, no qual Heitor se baseou para realizar a proposta de CPI, “não tem qualquer parecer conclusivo, até o momento”. “Esse relatório foi entregue a uma conselheira, que irá analisá-lo e, apenas em outubro, dará seu parecer e, daí, será encaminhado ao pleno do TCE”, esclareceu.

Os deputados Júlio César Filho (PTN) e Fernando Hugo (PSDB), em aparte, também criticaram a proposta de Heitor. Para Júlio César, o deputado pedetista deve comparar mais detalhadamente os eventos em questão, “como, por exemplo, o período em que aconteceram, a duração dos shows, a quantidade de pessoas envolvidas; senão, isso fica parecendo apenas uma tentativa de induzir a opinião pública”.

Fernando Hugo lembrou, ainda, que “na época do governo de Luizianne Lins, Heitor nunca fez um aparte para criticar as festas caríssimas de Réveillon que a prefeita promovia”. “Parece que essa peçonha dele se limita ao Governo do Estado”, afirmou.

Com informações da Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
E-mail: agencia@al.ce.gov.br
Twitter: @Assembleia_CE